NUTRITIONAL STATUS OF SCHOOL CHILDREN FROM THE LOW AMAZON RIVER


NUTRITIONAL STATUS OF SCHOOL CHILDREN FROM THE LOW AMAZON RIVER


SANTOS, S.F.S1, DUARTE, M.G1, MINATTO, G2, CARVALHO, A1, PAULO, T.R.S1, FREITAS JÚNIOR, I.F3

Federal University of Amazonas/UFAM. Parintins – AM, Brasil1. Federal University of Santa Catarina/UFSC, Florianópolis–SC, Brasil2. Estadual University Paulista Júlio de Mesquita Filho/UNESP3.


Research Journal of Pharmacology and Pharmacy-2d Code

To investigate the nutritional status of children (3-19 years) of both sexes of Parintins, AM. This is a cross-sectional epidemiological survey conducted in 2013 in public schools linked to the School Health Program (PSE). The nutritional status of children was assessed by body mass indicators, height and BMI adequate for age, according to the growth curves of the World Health Organization. Descriptive measures and comparison between proportions were adopted, with 5 % significance level. The prevalence of nutritional inadequacy according to indicator of low height for age highlighted the prevalence of stunting, which proportions are different between boys (16.2 %) and girls (83.9 %) in all age groups. Stunting among girls warns for the need for preventive measure to avoid malnutrition and growth deficits.


Keywords: anthropometry, body growth, child health, adolescent health, Height-age

Free Full-text PDF

REFERENCE

  1. Chaves VLV, Freese E, Lapa MT, Cesse EAP, Vasconcelos ALR. Evolução espaço temporal do sobrepeso e da obesidade em adolescentes masculinos brasileiros, 1980 a 2005. Cad. Saúde Pública 2010; 26(7):1303-13.
  2. Coutinho JG, Gentil CP, Toral N. A desnutrição e obesidade no Brasil: o enfrentamento com base na agenda única da nutrição. Cad Saúde Pública 2008; 24(Sup.2):S332-S340.
  3. Filho MB, Rissin A. A transição nutricional no Brasil: tendências regionais e temporais. Cad. Saúde Pública 2006; 19(Sup. 1):S181-S191.
  4. Tardido AP, Falcão MC. O impacto da modernização na transição nutricional e obesidade. RevBrasNutrClin 2006; 21(2):117-24.
  5. Monteiro CA, Benicio MHD, Konno SC, Silva ACF, Lima ALL, Conde WL. Causas do declínio da desnutrição infantil no Brasil, 1996-2007. Rev Saúde Púb2009; 43(1):35-43.
  6. Pimenta TAM, Rocha R, Marcondes NAV. Políticas Públicas de Intervenção na Obesidade Infantil no Brasil: uma Breve Análise da Política Nacional de Alimentação e Nutrição e Política Nacional de Promoção da Saúde. CientCiêncBiol Saúde UNOPAR 2015; 17(2):139-46.
  7. Orellana JDY, Coimbra Jr. CEA, Lourenço AEP, Santos RV. Estado Nutricional e anemia em crianças Suruí, Amazônia, Brasil. JPediatr2006; 82(5): 383-388.
  8. Reis CEG, Vasconcelos IAL, Barros JFN. Políticas públicas de nutrição para o controle da obesidade infantil. Rev Paul Pediatr 2011; 29(4):625-33.
  9. World Health Organization/WHO. Obesity: preventing and managing the global epidemic. Geneva: World Health Organization. 2000.
  10. Wang Y, Lobstein T. Worldwide trends in childhood overweight and obesity. Int J PediatrObes 2006; 1(1):11-25.
  11. Maia MMM. Estado nutricional, consumo alimentar, deficiência de micronutrientes e doenças parasitárias em crianças de 0 a 10 anos de idade atendidas em serviços de saúde da cidade de Manaus, Amazonas. [Dissertação de Mestrado – Programa de Pós-Graduação em Parasitologia]. Belo Horizonte (MG): Universidade Federal de Minas Gerais, 2006.
  12. Lima ALL, Monteiro CA, Konno SC, Conde WL. Avaliação antropométrica do estado nutricional de crianças e mulheres em idade fértil. In: Ministério da Saúde. Relatório Final: Pesquisa Nacional de Demografia e Saúde da Mulher e da Criança; 2008. p.252-262. Avaliable from: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/pnds/img/relatorio_final_pnds2006.pdf [2015 out 21]
  13. Licio JSA. Estado nutricional de crianças indígenas no Brasil: uma revisão sistemática da literatura científica. [Dissertação de Mestrado – Ciências na área da Saúde Pública]. Rio de Janeiro (RJ): Fundação Oswaldo Cruz, 2009.
  14. Brasil. Decreto Federal nº 6.286, de 05 de dezembro de 2007. Dispõe sobre o Programa Saúde na Escola (PSE) e dá outras providências. Brasília: Casa Civil, 2007.
  15. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. IBGE Cidades. 2015. Disponível em: http://www.cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?lang=&codmun=130340&search=amazonas|parintins [citado 13 out 2015]
  16. Alvarez BR, Pava AL. Alturas e comprimentos. In: Petroski EL (ed.). Antropometria: técnicas e padronizações. 5.ed. Várzea Paulista: Fontoura, 2011, p.31-44.
  17. World Health Organization. Child Growth Standards based on length/height, weight and age. ActaPaediatr 2006; 450(Suppl.):76-85.
  18. Onis M et al. Development of a WHO growth reference for school-aged children and adolescents. Bull World Health Organ 2007; (85):660-7.
  19. Malina RM, Bouchard C, Bar-Or O. Crescimento, maturação e atividade física. 2nd ed. São Paulo: Phorte; 2009. p. 466-467.
  20. Silva DAS, Pelegrini A, Petroski EL, Gaya ACA. Comparação do crescimento de crianças e adolescentes brasileiros com curvas de referência para crescimento físico: dados do Projeto Esporte Brasil. Rev SocBol Ped 2012; 51(3):211-17.
  21. Medehouenou TCM, Ayotte P, St-Jean A, Meziou S, Roy C, Muckle G et al. Overweight and Obesity Prevalence Among School-Aged Nunavik Inuit Children According to Three Body Mass Index Classification Systems. Journal of Adolescent Health 2015; 57:31-36.
  22. Leite MS, Santos RV, Gugelmin SA, Coimbra Jr. CEA. Crescimento físico e perfil nutricional da população indígena Xavánte de Sangradouro-Volta Grande, Mato Grosso, Brasil. Cad. Saúde Pública 2006; 22(2): 265-276.
  23. Farias ES, Guerra-Júnior G, Petroski EL. Estado Nutricional de escolares em Porto Velho, Rondônia. Rev.Nutr. 2008; 21(4):401-409.
  24. Neves OMD, Brasil ALD, Brasil LMBF, Taddei JAAC. Antropometria de escolares ao ingresso no ensino fundamental na cidade de Belém, Pará, 2001. Rev.Bras. SaúdeMatern. Infant. 2006; 6(1):39-46.
  25. Ramalho MHS, Santos JOL, Soares AA, Machado Z, Maria WB, Nazario PF, Nobre GC. Physical growth in childrens and adolescents of three Brazilian cities. J Health SciInst 2011; 29(4):276-9.
  26. Barreto CTG, Cardoso AM, Coimbra Jr CEA. Estado nutricional de crianças indígenas Guarani nos estados do Rio de Janeiro e São Paulo, Brasil. Cad. Saúde Pública 2014; 30(3):657-662.
  27. MenegollaIA, Drachler ML, Rodrigues IH, SchwingelLR, ScapinelloE, Pedroso MB, Leite JCC. Estado nutricional e fatores associados à estatura de crianças da Terra Indígena Guarita, Sul do Brasil. Cad. Saúde Pública 2006; 22(2):395-406.
  28. Escobar AL, Santos RV, Coimbra Jr CEA. Avaliação Nutricional de Crianças Indígenas Pakaanóva (Wari´), Rondônia, Brasil. RevBras Saúde MaternInfant 2003; 3(4):457-461.
  29. Tanner JM. A History of the Study of Human Growth. London:Cambridge University Press; 1981.
  30. Vitolo MR, Campagnolo PDB, Gama CM. Factors associated with risk of low dietary fiber intake in adolescents. J Pediatr, v.83, n.1. p.47-52, 2007.
  31. Guedes DP. Crescimento e desenvolvimento aplicado à Educação Física e ao Esporte. Rev. bras. Educ. Fís. Esporte 2011; 25: 127-40.
  32. Zeferino AMB, Barros Filho AA, Bettiol H, Barbieri MA. Acompanhamento do crescimento. J Pediatr 2003; 79(Suppl.1):S23-S32.