Occupational Therapy: Health Education Actions With the Caregiver of Children With Typical Development


Occupational Therapy: Health Education Actions With the Caregiver of Children With Typical Development


OLIVEIRA, M.P.C.A1; FERREIRA, A.P.A1, RABELO, A.R.M1, SANTOS, A.C.C.S1, SILVA MONTEIRO, R.J.S1.

Federal University of Pernambuco.


Research Journal of Pharmacology and Pharmacy-2d Code

Characterize the actions of health education carried out by an occupational therapist to caregivers in a University context. Descriptive cross-sectional study, according to documentary survey. Information form of the children and adolescents were examined during practical lessons of discipline Occupational Profile of Children and Adolescents, the Occupational Therapy course at the Federal University of Pernambuco, from February 2012 to January 2014. Caregivers brought demands on comprehensive development of children and adolescents, and were active in the construction of knowledge on health. In this way, the occupational therapy intervention moved to accommodate these demands, guiding the caregivers within the perspective of health education, as the appropriate posture to stimulate the performance of occupational roles of child/adolescent.


Keywords: Health Promotion, Caregivers, Health Education, Occupational Therapy

Free Full-text PDF

REFERENCES

  1. Milbrath, V. M. et al. Família da criança com paralisia cerebral: percepção sobre as orientações da equipe de saúde. Texto Contexto Enferm, Florianópolis, vol. 21, n. 4, p. 921-8, Out-Dez. 2012.
  2. Andrade, S.A. et al. Ambiente familiar e desenvolvimento cognitivo infantil: uma abordagem epidemiológica. Rev Saúde Pública, v 39, n. 4, p. 606-11, 2005.
  3. Rocha, A.P. et. al. Relação entre desempenho funcional de crianças com paralisia cerebral e qualidade de vida relacionada à saúde de seus cuidadores. Fisioterapia e Pesquisa, São Paulo, v.15, n.3, p.292-7, jul./set. 2008.
  4. Baloueff, O. Introdução a população pediátrica. In: Neistadt, M. E.; Crepeau, E. B. (Org.). Willard Spackman Terapia Ocupacional. 9 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2002.
  5. Weiss, P. et. al. Participação de cuidadores familiares na recuperação/comunicação da cognição com Base na Intervenção Cognitiva Dinâmica. In: Katz, N. Neurociência, reabilitação cognitiva e modelos de intervenção em terapia ocupacional. 3ª ed. Curitiba: Santos Editora, 2014.
  6. Oliveira, M.F.S et al. Qualidade de vida do cuidador de crianças com paralisia cerebral. RBPS, v.21 (4): 275-280, 2008.
  7. Almeida, T. et. al. Stress e suporte social em familiares de pessoas com paralisia cerebral. Psicologia, Saúde & Doenças, Universidade Fernando Pessoa, Porto, v. 8, n. 1, p. 145-151, 2007.
  8. Alves V.S. Um modelo de educação em saúde para o Programa Saúde da Família: pela integralidade da atenção e reorientação do modelo assistencial. Interface – Comunicação, Saúde e Educação. 2005; 9 (16): 39-52.
  9. Ministério da Saúde (BR), Secretaria Executiva, Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Glossário temático: gestão do trabalho e da educação na saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2009
  10. Santos, V.S. Educação em saúde com adolescentes grávidas: desafios e repercussões. 2014. 146f. Dissertação (mestrado em saúde da criança e do adolescente). Universidade Federal de Pernambuco, Recife.
  11. Jahn, A.C. et. al. Educação popular em saúde: metodologia potencializadora das ações do enfermeiro. Rev Enferm UFSM. v. 2, n. 3, p. 547-552, Set/Dez, 2012.
  12. Freire, L.A.M. Educação em saúde com adolescentes: uma análise sob a perspectiva de Paulo Freire. 2011. 84 f. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) – Escola de Enfermagem da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, 2011.
  13. Kruse, L.M. Composições familiares e motivos de consulta em crianças em atendimento psicológico. 64f. Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica) – Faculdade de Psicologia da Pontifica Universidade Católica do Rio Grande do Sul, PUCRS, Porto Alegre. Dezembro, 2009.
  14. Silva, C.M.C. et. al. Educação em saúde: uma reflexão histórica de suas práticas. Ciência & Saúde Coletiva, 15, n. 5, p 2539-50, 2010.
  15. Pavão, S.L et. al. Efeito da orientação domiciliar no desempenho funcional de crianças com necessidades especiais. Motricidade, vol. 7, n. 1, pp. 21-29, 2011.