Assistência De Enfermagem Ao Paciente Com Fixação Externa Ilizarov: Relato De Caso


Assistência De Enfermagem Ao Paciente Com Fixação Externa Ilizarov: Relato De Caso


Melo, J.T.S1, Carvalho, J.S2, Santos, A.N3, Oliveira, J.M.D.4, Santos, L.V5, Souza, M.A.O6

1Residente de Enfermagem em Traumato-Ortepedia pelo Hospital Getúlio Vargas – Universidade Federal de Pernambuco.2Residente de Enfermagem em Traumato-Ortepedia pelo Hospital Getúlio Vargas – Universidade Federal de Pernambuco. 3Residente de Enfermagem em Cirúrgica pelo Hospital Getúlio Vargas – Universidade Federal de Pernambuco. 4Residente de Enfermagem em Cirúrgica pelo Hospital Getúlio Vargas – Universidade Federal de Pernambuco. 5Residente de Enfermagem em Obstetrícia pelo Centro Integrado de Saúde Amaury de Medeiros – Universidade de Pernambuco. 6Mestre em Enfermagem pelo programa de Pós-Graduação Associado da Universidade de Pernambuco e Universidade Estadual de Campina Grande.


Scientific Research and Reviews

Introdução: No Brasil, as fraturas são responsáveis por 42,6% das hospitalizações por causas externas. As fraturas expostas correspondem a qualquer padrão de lesão que provoca um rompimento no envelope de tecidos moles e resulta em comunicação direta entre o osso e o meio ambiente. O tratamento consiste no reposicionamento do osso, imobilização e recuperação dos movimentos que pode ser feito de forma conservadora ou cirúrgica. O sistema de fixação externa ilizarov (FEI) permite remodelamento, alongamento, correção de fraturas e deformidades ósseas. Promove uma regeneração óssea em torno de 1 mm/dia, o que equivale a 1 cm/mês, que é considerado ideal. Nesse contexto, ganham importância a habilidade e a experiência dos profissionais em saúde. Objetivo: Descrever a assistência de enfermagem prestada a um paciente com FEI. Material e Métodos: Estudo descritivo do tipo relato de caso, realizado em um hospital público. A coleta de dados ocorreu mediante consultas ao prontuário, anamnese e exame físico. Resultados e Discussão: J.G.O., 36 anos, vítima de acidente automobilístico, diagnóstico de pseudoartrose de tíbia esquerda, evoluindo com infecção de trajetos de pinos, lesão óssea grave e FEI há três anos. Nega comorbidades. Alérgica a ciprofloxacino e cefalotina. Ao exame: EGR, consciente, orientada, depressiva, deambula com auxílio, eupneica, normotensa, normocárdica. Membro inferior esquerdo com fixador, edemaciado, exsudato hemático, hipertermia e hiperemia local, perfusão preservada e pulsos distais presentes. Os cuidados de enfermagem compreendem monitorização de sinais vitais, observação de sinais flogísticos ao redor da inserção dos pinos, presença de exsudato e suas características, higienização do fixador com produto antisséptico, elevação do membro afetado para prevenir e/ou reduzir edema, monitorização do estado neurovascaular da extremidade, orientação quanto ao uso de muletas. Conclusão: Este estudo remete à importância do planejamento do cuidado aos pacientes com fixadores externos, demandando sua sistematização pelo enfermeiro, incluindo intervenções diárias, conforme a evolução do caso.


Palavras-chave: Cuidados de Enfermagem; Fixadores Externos; Técnica de Ilizarov

Free Full-text PDF


How to cite this article:
Melo, J.T.S, Carvalho, J.S, Santos, A.N, Oliveira, J.M.D., Santos, L.V, Souza, M.A.O. Assistência De Enfermagem Ao Paciente Com Fixação Externa Ilizarov: Relato De Caso.Scientific Research and Reviews, 2018, 2:18. DOI: 10.28933/srr-2018-06-2818