THE PAIN OF WHO CARES FOR HEALTH: WHAT IS THE COMPASSION FATIGUE?


THE PAIN OF WHO CARES FOR HEALTH: WHAT IS THE COMPASSION FATIGUE?


Cybelle Cavalcanti Accioly1, Mônica de Oliveira Osório2, Eliane Nóbrega Albuquerque3 e Juliana do Nascimento Porto Behar4


International Journal of Pain Research and Treatment

Background: Health workers get sick annually because of the characteristics and routine of their work and the peculiarity of dealing with the pain of others. Being sensitive and predisposed to care for the other suffering, involves empathy and compassion. Continuous and prolonged exposure to this labor context can generate stress and exhaustion of the professional, due to prolonged affectation with the pain and suffering of others, which can cause fatigue through compassion. Objective: to reflect about compassion fatigue in the context of health. Methodology: bibliographic review. Results and discussion: Health professionals present a commitment that moves them to relieve and intervene in the pain of the other. When the care is lived exhaustively and chronically, with the excessive use of compassion, it can directly affect the health of the worker, interfering in their quality of life and in the execution of their work, leading to fatigue by compassion. Final considerations: Fatigue of compassion can impact psychologically on health professionals and the ability to tolerate pain and suffering of the patient, interfering negatively in their work. Therefore, it is necessary that more research be developed in the different fields of professional work in health, aiming to stimulate reflections and actions focused on the quality of life of these professionals


Keywords: Compassion fatigue, Quality of life, Occupational Health, Psychology.

Free Full-text PDF


How to cite this article:
Cybelle Cavalcanti Accioly, Mônica de Oliveira Osório, Eliane Nóbrega Albuquerque, Juliana do Nascimento Porto Behar. THE PAIN OF WHO CARES FOR HEALTH: WHAT IS THE COMPASSION FATIGUE?.International Journal of Pain Research and Treatment, 2019, 2:15.


References:

1. Heloani, José R. e Capitão, Cláudio G. Saúde Mental e Psicologia do Trabalho. São Paulo em Perspectiva, v.17, n.2, p.102-108, 2003.
2. Seligmann-Silva, Edith; Bernardo, Márcia Hespanhol; Maeno, Mariae Kato, Mina. Saúde do Trabalhador no início do século XXI. Rev. bras. Saúde Ocup, São Paulo, 35 (122): 185-186, 2010.
3. Ribeiro, Carla Vaz dos Santos; Leda, Denise Bessa. O significado do trabalho em tempos de reestruturação produtiva. Estud. pesqui. psicol.,Rio de Janeiro , v. 4, n. 2, dez. 2004 . Disponível em <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-42812004000300006&lng=pt&nrm=iso>. Acessos em 09 ago. 2016.
4. Pereira, Selda Heloisa Cavalcanti do Nascimento. Avaliar a prevalência da síndrome de Burnout em médicos peritos da previdência social na gerência executiva de Campina Grande-PB. /Selda Heloisa Cavalcanti do Nascimento Pereira; orientadora Profa. Dra. Lourdes Conceição Martins.Dissertação (mestrado) – Universidade Católica de Santos, Programa de Mestrado em Saúde Coletiva.2014.
5. Gonçalves, Júlia Rodrigues dos Santos; Melo, Edna Pereira; Lombas, Sandrely Regina Lopes; Mariano, Cleuza dos Santos; Barbosa, Ludjane; Chillida, Manuela de Santana Pi. Causas de afastamento entre trabalhadores de enfermagem de um hospital público do interior de São Paulo. REME – Revista Mineira de Enfermagem.9(4):309-314, Jan/Mar, 2005.
6. Aguiar, Gizele de Almeida Souza e Oliveira, Jannine Rodrigues. Absenteísmo: suas principais causas e consequências em uma empresa do ramo de saúde. Revista de Ciências Gerenciais v. 13, n. 18, p. 95-113, 2009.
7. Assis, Monique Ribeiro; Caraúna, Hannah e Karine, Daniele. Análise do Estresse Ocupacional em Profissionais da Saúde. Conexões Psi. Rio de Janeiro v. 3, n. 1, p. 62-71, jan./jun. 2015.
8. Kovaleski, Douglas Francisco e Bressan, Adriana A síndrome de Burnout em profissionais de saúde. Sau. &Transf. Soc., ISSN 2178-7085, Florianópolis, v.3, n.2, p.107-113, 2012.
9. Carvalho, Pedro Rodrigues Cortês. (2011) Estudo da fadiga por compaixão nos cuidados paliativos em Portugal: tradução e adaptação cultural da escala “professional quality of life 5”. Dissertação apresentada ao Instituto de Ciências da Saúde da Universidade Católica Portuguesa – Porto para obtenção do grau de Mestre em Cuidados Paliativos Universidade Católica Portuguesa, disponível em http://hdl.handle.net/10400.14/8918, acesso em 25.09.2018.
10. Freitas, Ana Paula e Parizotto, Ana Patrícia A. V. Percepções De Voluntários Em Um Hospital Universitário Sobre O Desenvolvimento De Atividades Lúdicas: A Arte De Se Doar Ao Outro. Pesquisa em Psicologia | Anais Eletrônicos. p. 187-200, 2015.
11. SOUZA, Cláudia Gesserame Vidigal Mendes. Investigação da fadiga e/ou satisfação por de controle de infecções relacionadas à assistência à saúde. Dissertação de Mestrado do Programa de pós-graduação em Psicologia. Área de concentração: psicologia clínica. Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo, 2015.
12. Lago, K., Codo,W.Fadiga por compaixão: evidências de validade fatorial e consistência interna do ProQol-BREstudos de Psicologia, 18(2), abril-junho/2013, 213-221.
13. Barbosa, Silvânia da Cruz, Souza, Sandra, & Moreira, Jansen Souza. (2014). A fadiga por compaixão como ameaça à qualidade de vida profissional em prestadores de serviços hospitalares. Revista Psicologia Organizações e Trabalho, 14(3), 315-323. Recuperado em 28 de setembro de 2018, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1984-66572014000300007&lng=pt&tlng=pt.
14. Carona, Carlos; Sá, Eduardo; Moita, Gabriela; Salgado, João e Matos, Margarida Gaspar de. Pensar a psicologia ebook. Lisboa: Ordem dos Psicólogos Portugueses, 2017.
15. Amaro, Ana Nadine Canada. Burnout e Fadiga por Compaixão em Psicólogos Clínicos Portugueses. MESTRADO INTEGRADO EM PSICOLOGIA (Secção de Psicologia Clínica e da Saúde / Núcleo de Psicoterapia Cognitiva Comportamental e Integrativa), Universidade de Lisboa, 2016.
16. Cruz, Bárbara Sofia Pires da. Burnout e Fadiga por Compaixão em Enfermeiros Portugueses. Dissertação de Mestrado em Psicologia Clínica e da Saúde na Subárea de Especialização em Intervenções Cognitivo Comportamentais nas Perturbações Psicológicas da Saúde, sob a orientação do Professor Doutor José Pinto Gouveia. Universidade de Coimbra – Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação, 2014.