The New Approaches Therapeutics That Complement Medicinal Therapy of Patients in Mental Health: an Analysis


The New Approaches Therapeutics That Complement Medicinal Therapy of Patients in Mental Health: an Analysis


Francisco Henrique da Silva1, Matheus Alves Siqueira de Assunção2, Evandro Valentim da Silva2, and Fálba Bernadete Ramos dos Anjos2

1Department of Biochemistry, Federal University of Pernambuco, Recife, Pernambuco, Brazil
2Department of Histology and Embryology, Federal University of Pernambuco,  Recife, Pernambuco, Brazil


Global Journal of Urology and Nephrology

Mental illnesses represent a challenge for healthcare worldwide. In Brazil, this reality is not different, with the Unified Health System (SUS) providing or improving the therapeutic treatment of patients assisted by public health policies, through the implementation of integrative and complementary practices in mental health patient therapy. Drug therapy associated with the increase in integrative practices contributes to improvements in the patient, in addition to promoting updates to the protocols and clinical guidelines that address pathologies of the mental nature. In this context, this chapter should analyze the main mental disorders, such as drug therapies used to treat these patients, as well as the use of integrative practices that complement the use of medications.


Keywords:  New Approaches Therapeutics, Complement Medicinal Therapy, Mental Health

Free Full-text PDF


How to cite this article:
Francisco Henrique da Silva, Matheus Alves Siqueira de Assunção, Evandro Valentim da Silva, and Fálba Bernadete Ramos dos Anjos. The New Approaches Therapeutics That Complement Medicinal Therapy of Patients in Mental Health: an Analysis. American Journal of Psychiatric Research and Reviews, 2020; 3:23. DOI: 10.28933/ajprr-2020-09-1005


References
1. DA SILVA FILHO, José Adelmo et al. Assistência em Saúde Mental para além da Medicalização: Revisão Integrativa. ID on line REVISTA DE PSICOLOGIA, v. 12, n. 42, p. 641-658, 2018.
2. D’OLIVO, Fernanda Moraes et al. UMA ANÁLISE DISCURSIVA DO LOUCO E DO ESPAÇO DO MANICÔMIO: SENTIDOS PRODUZIDOS E CIRCULADOS NO MANICÔMIO. Língua, Literatura e Ensino-ISSN 1981-6871, v. 2, 2007.
3. FRANCO, Renato Ferreira; VAN STRALEN, Cornelis Johannes. Desinstitucionalização psiquiátrica: do confinamento ao habitar na cidade de Belo Horizonte. Psicologia & Sociedade, v. 27, n. 2, p. 6, 2015.
4. BIZ, Carla Vanessa do Nascimento Ferreira et al. A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DO PROFISSIONAL FARMACÊUTICO NA SAÚDE MENTAL. Semioses, v. 12, n. 4, p. 145-162, 2018.
5. TAKEDA, Osvaldo Hakio; STEFANELLI, Maguida Costa. Atividade física, saúde mental e reabilitação psicossocial. Revista Mineira de Enfermagem, v. 10, n. 2, p. 171-175, 2006.
6. SPADINI, Luciene Simões; SOUZA, Maria Conceição Bernardo de Mello. A doença mental sob o olhar de pacientes e familiares. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 40, n. 1, p. 123-127, 2006
7. SCHRANK, Guisela; OLSCHOWSKY, Agnes. O centro de Atenção Psicossocial e as estratégias para inserção da família. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 42, n. 1, p. 127-134, 2008
8. MENDES, Dayana Senger et al. Benefícios das práticas integrativas e complementares no cuidado de enfermagem/Benefits of integrative and complementary practices in nursing care/Beneficios de las prácticas integrativas y complementarias en el cuidado de enfermería. JOURNAL HEALTH NPEPS, v. 4, n. 1, p. 302-318, 2019
9. AMARAL, Osvaldo Lopes. Instituto de estudos e orientação da família do portador de transtorno mental. Revista Nacional de Reabilitação, n. 40, mar.2003.
10. Organização Pan-Americana de Saúde. Organização Mundial da Saúde. Folha informativa- transtornos mentais. Brasília: OPAS/OMS; 2018.
11. BECK, Aaron T.; ALFORD, Brad A. Depressão: causas e tratamento. Artmed Editora, 2016.
12. NAKAMURA, EUNICE AND SANTOS, JOSÉ QUIRINO DOS. Depressão infantil: abordagem antropológica. Rev. Saúde Pública [online]. 2007, vol.41, n.1, pp.53-60. Epub Dec 04, 2006. ISSN 0034-8910. https://doi.org/10.1590/S0034-89102006005000011.
13. Gathercole, M. (2004). Development and Exploration of a New Model for Understanding Depression. The Australian Journal of Counselling Psychology,
14. MONTEIRO, Ivandro Soares. O contributo das experiências familiares, vinculação e apoio social para a depressão no adulto. 2010. Tese de Doutorado.
15. WANNMACHER, Lenita. Abordagem da depressão maior em idosos: medidas não medicamentosas e medicamentosas. OPAS/OMS. Representação Brasil, v. 1, n. 1, 2016.
16. KHOURI, Adibe Georges; SANTOS, Sandra Oliveira. INIBIDORES SELETIVOS DA RECAPTAÇÃO DE SEROTONINA: UMA OPÇÃO SEGURA NO TRATAMENTO DA DEPRESSÃO EM IDOSOS. Referências em Saúde da Faculdade Estácio de Sá de Goiás-RRS-FESGO, v. 2, n. 1, 2019.
17. LOBO, Sandra Daniela Gouveia Paiva. Novas abordagens farmacológicas no tratamento da depressão. 2016. Tese de Doutorado.
18. SAMON, Yonaris Rodriguez et al. Intervenção em depressão para os usuários da Unidade Básica de Saúde Antônio Monteiro dos Reis, no Município de Brasiléia-Acre. 2018.
19. PERIN, Luiz Felipe; LINARTEVICHI, Vagner Fagnani. USO DE ANTIDEPRESSIVOS NO MUNICÍPIO DE CAPITÃO LEÔNIDAS MARQUES–PR. FAG JOURNAL OF HEALTH (FJH), v. 1, n. 4, p. 44-48, 2019.
20. KHOURI, Adibe Georges; SANTOS, Sandra Oliveira. INIBIDORES SELETIVOS DA RECAPTAÇÃO DE SEROTONINA: UMA OPÇÃO SEGURA NO TRATAMENTO DA DEPRESSÃO EM IDOSOS. Referências em Saúde da Faculdade Estácio de Sá de Goiás-RRS-FESGO, v. 2, n. 1, 2019.
21. MORENO, Ricardo Alberto; MORENO, Doris Hupfeld; SOARES, Márcia Britto de Macedo. Psicofarmacologia de antidepressivos. Rev. Bras. Psiquiatr., São Paulo , v. 21, supl. 1, p. 24-40, May 1999 .
22. ANDRADE, José Marcio et al. Avaliação da Adesão ao Tratamento com Antidepressivos em Pacientes de uma Farmácia Pública no Interior do Ceará. ID on line REVISTA DE PSICOLOGIA, v. 12, n. 42, p. 203-212, 2018.
23. SILVA, Roquelina Câmara et al. Transtorno afetivo bipolar: terapêuticas, adesão ao tratamento e assistência de enfermagem. Revista Brasileira de Saúde Funcional, v. 1, n. 1, p. 10, 2017
24. FIEDOROWICZ, Jess G. Couse of ilness and the development of vascular disease in individuals with bipolar disorder. 2011.
25. DE ANDRADE, Ana Cláudia Fontes. A abordagem psicoeducacional no tratamento do transtorno afetivo bipolar. 1999
26. SILVA, Roquelina Câmara et al. Transtorno afetivo bipolar: terapêuticas, adesão ao tratamento e assistência de enfermagem. Revista Brasileira de Saúde Funcional, v. 1, n. 1, p. 10, 2017.
27. MOREIRA, Camilla Silveira; MEZZASALMA, Marco André; JULIBONI, Ricardo Venâncio. Esquizofrenia Paranóide: Relato de Caso e Revisão da Leitura. Revista Científica da Faculdade de Medicina de Campos, v. 3, n. 2, p. 29-32, 2008.
28. SILVA, Regina Cláudia Barbosa da. Esquizofrenia: uma revisão. Psicol. USP, São Paulo , v. 17, n. 4, p. 263-285, 2006 .
29. BLAS, José. Necesidades y carencias en los pacientes esquizofrénicos envejecidos. In: Necesidades y carencias en los pacientes esquizofrénicos envejecidos. [S. l.], 2004. Disponível em: http://www.informacionespsiquiatricas.com/anteriores/info_2004/02_176_13.htm. Acesso em: 4 mar. 2020
30. LINDNER, Leandro Mendonça et al. Avaliação econômica do tratamento da esquizofrenia com antipsicóticos no Sistema Único de Saúde. Revista de Saúde Pública, v. 43, p. 62-69, 2009.
31. BRESSAN, Rodrigo A; PILOWSKY, Lyn S. Hipótese glutamatérgica da esquizofrenia. Rev. Bras. Psiquiatr., São Paulo , v. 25, n. 3, p. 177-183, Sept. 2003 .
32. ROHDE, Luis Augusto et al. Transtorno de déficit de atenção/hiperatividade. Brazilian Journal of Psychiatry, v. 22, p. 07-11, 2000.
33. BRANT, Luiz Carlos; CARVALHO, Tales Renato Ferreira. Metilfenidato: medicamento gadjet da contemporaneidade. Interface-comunicação, Saúde, Educação, v. 16, p. 623-636, 2012.
34. RUTTER, Michael; SCHOPLER, Eric. Classification of pervasive developmental disorders: Some concepts and practical considerations. Journal of autism and developmental disorders, v. 22, n. 4, p. 459-482, 1992.
35. DÍAZ-ATIENZA, J.; BLÁNQUEZ, M. P. Efectos terapéuticos de la risperidona en el trastorno generalizado del desarrollo tipo autista: ensayo clínico abierto. Psiquiatría. COM [revista electrónica], http://www. psiquiatria. com/psiquiatria/vol3num3/art_3. htm, 1999.
36. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde DAPE. Coordenação Geral 14 de Saúde Mental. Reforma psiquiátrica e política de saúde mental no Brasil. Documento apresentado à Conferência Regional de Reforma dos Serviços de Saúde Mental: 15 anos depois de Caracas. OPAS. Brasília, novembro de 2005.
37. FROSI, Raquel Valiente; TESSER, Charles Dalcanale. Práticas assistenciais em saúde mental na atenção primária à saúde: análise a partir de experiências desenvolvidas em Florianópolis, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, v. 20, p. 3151-3161, 2015.
38. CANDIDO, Laurecina Aparecida Pinheiro; DE ARAOZ, Susana Maria Mana. PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES EM SAÚDE (PICS): USO COMUM DENTRO DA COMUNIDADE AUTISTA. South American Journal of Basic Education, Technical and Technological, v. 6, n. 1, 2019.
39. MIYAGUSUKU, Fábio Hiroki. Aplicação de Auriculoterapia em idosos portadores de depressão.
40. ANDRADE, João Tadeu de; COSTA, Liduina Farias Almeida da. Medicina complementar no SUS: práticas integrativas sob a luz da Antropologia médica. Saúde e Sociedade, v. 19, p. 497-508, 2010.