The Epidemiology of The Zika Virus And Microcephaly


The Epidemiology of The Zika Virus And Microcephaly


Silva T.P.S1; Lima M.L.L.T2; Souza F.O.S3; Novaes M.A4; Nascimento C.M.B5

1,2,5Docente do Curso de Fonoaudiologia da UFPE; 3Doutora em Saúde Pública pelo CPqAM/Fiocruz, 4Docente do Curso de Medicina da UFPE


The development of strategies to manage the Zika virus epidemic constitutes a challenge for the scientific community. Develop tele-education actions in the field of human communication health with an emphasis on implications stemming from the Zika virus and microcephaly for professionals of the Family Health Strategy and students at the Federal University of Pernambuco. The experience of a set of three web conference seminars is described. The lectures addressed the epidemiology of the Zika virus and microcephaly, speech/hearing therapy, breastfeeding and feeding children with microcephaly. The mean number of connected points was 1.6 per session, with representatives of metropolitan Recife and the municipality of Lajedo. A total of 13 individuals participated in the action (three students and 10 healthcare professionals). All considered the topics interesting and relevant to the profession and all reported being satisfied with the experience. Web conference seminars can contribute to the creation of a dialog among different actors linked to health promotion actions with the aim of potentiating integral care, especially in response to current and future epidemics.


Keywords: Speech therapy; Telemedicine; Zika virus


Free Full-text PDF


How to cite this article:
Silva T.P.S; Lima M.L.L.T; Souza F.O.S; Novaes M.A; Nascimento C.M.B.The Epidemiology of The Zika Virus And Microcephaly. International Journal of Virology and Diseases, 2019, 2:7. DOI: 10.28933/ijvd-2019-09-1205


References:

1. CAVEIÃO, Cristiano. Vírus Zika Suas Complicações Relacionadas À Microcefalia E Guillain-Barré. Saúde, v. 1, n. 15, p. 3-6, 2016.
2. Ministério da Saúde (BR). Ministério da Saúde confirma relação entre vírus Zika e microcefalia [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2015. [Acesso em: 2016 Out 07]. Disponível
a. em:http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/cidadao/principal/agenciasaude/21014-ministerio-da-saudeconfirma-relacao-entre-virus-zika-emicrocefalia
3. MARTINS, Maria de Fátima Moreira. Análise bibliométrica de artigos científicos sobre o vírus Zika. Revista Eletrônica de Comunicação, Informação & Inovação em Saúde, v. 10, n. 1, 2016.
4. WEN, Chao Lung. Telemedicina e telessaúde-um panorama no Brasil.
a. Informática Pública, v. 10, n. 2, p.7-15, 2008.
5. SOIREFMANN, Mariana et al. Telemedicina: uma revisão da literatura. Revista HCPA. Porto Alegre. Vol. 28, n. 2 (2008), p. 116-119, 2008.
6. GODOY, S.C.B.; GUIMARAES, E.M.P.; ASSIS, D.S.S. Avaliação da capacitação dos enfermeiros em unidades básicas de saúde por meio da telenfermagem. Esc. Anna Nery, Rio de Janeiro, v. 18, n. 1, p. 148155, mar. 2014.
7. BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria no 373. Norma Operacional de Assistência à Saúde: NOAS-SUS 01/02. Diário Oficial da União, 28 fev. 2002.
8. SILVA, A.N. et al. Limites e possibilidades do ensino à distância (EaD) na educação permanente em saúde: revisão integrativa. Ciênc. Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 20, n. 4, p. 1099-1107, Apr. 2015.
9. PACHECO, K.T. S.; RIOS, M.Z. A tele-educação no Telessaúde do Estado do Espírito Santo: uma ferramenta importante para qualificação dos profissionais que atuam na Atenção Primária à Saúde. Revista Brasileira de Pesquisa em Saúde/Brazilian Journal of Health Research, v. 16, n. 4, 2015.
10. CONSELHO FEDERAL DE FONOAUDIOLOGIA. Resolução n. 427, de 1º de março de 2013. Dispõe sobre a regulamentação da Telessaúde em Fonoaudiologia e dá outras providências. Diário Oficial da União. 05 mar 2013; Seção 1:158.
11. CRUZ, E. L. D. et al. A characterization of web-conference seminars on the health of adolescents and young people at cyber-health centers in the Brazilian State of Pernambuco. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, v. 12, n. 1, p. 83-90, 2012.
12. OLIVEIRA, D. G. de. Análise do grau de implantação da TS na Estratégia Saúde da Família em Pernambuco: estudo de caso. 2010, 124f. Dissertação. (Mestrado Profissional em Saúde Pública) – Centro de Pesquisas Ageu Magalhães, Fundação Oswaldo Cruz, Recife, Pernambuco, 2010.