YELLOW FEVER: A BRIEF THEORETICAL REFERENCE


YELLOW FEVER: A BRIEF THEORETICAL REFERENCE


Jaqueline Pereira de Lima1*; Ana Paula Rocha da Costa2


The yellow fever is treated of a disease infectious endemic sharp viral of origins in Africa and in areas in South America. According to OMS (World Organization of the Health), they are dear annually 200.000 cases of the disease. The etiological agent of the yellow fever belongs to the family Flaviridae and to the gender Flavirirus, which is the responsible for other diseases in the man. The treatment of the yellow fever is constituted with uses of painkillers and antitérmicos with attention specifies of acid acetilsalicílico and flowed in the pictures hemorrágicos. This work intended to accomplish a bibliographical revision on the yellow fever. Now there are several indicative factors of reurbanização of the disease, the incidence of the virus happens in endemic areas, infecting the man and his/her natural host


Keywords: yellow fever, I diagnose vaccination.


Free Full-text PDF


How to cite this article:
Jaqueline Pereira de Lima; Ana Paula Rocha da Costa.YELLOW FEVER: A BRIEF THEORETICAL REFERENCE. International Journal of Virology and Diseases, 2019, 2:8. DOI: 10.28933/ijvd-2019-10-1805


References:

1. BENCHIMOL, Jaime. A vacina contra a febre amarela: uma longa história inacabada. In: Inovação em saúde: dilemas e desafios de uma instituição pública. p. 19-52. 2007.
2. BISPO, Ana. Fiocruz promove inovação no diagnóstico molecular de febre amarela.03.04.2017, disponível em: https://portal.fiocruz.br/noticia/fiocruz-promove-inovacao-no-diagnostico-molecular-de-febre-amarela Acesso em: 14.03.2018.
3. BRAISL. Ministério da saúde ,2017. Disponível em: http://portalms.saude.gov.br/noticias/agencia-saude/42327-ministerio-da-saude-atualiza-casos-de-febre-amarela Acesso em: 09.09.2018.
4. BRASIL. ANVISA. Resolução RDC n 19 de abril de 2013, Ministério da Saúde. Agência Nacional de vigilância Sanitária-Anvisa. Disponível em: bsms.saude.gov.br. Acesso em: 08.02.2018.
5. BRASIL, Ministério da saúde febre amarela 2006 Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/ Acesso em: 17.09.2018.
6. BRITO, et al. Lucas bifano mendes. Febre amarela: uma revisão de literatura. Braz. J. Surg. Clin. Res. V.8, n.3, pp.61-65 Set – Nov 2014.Disponível em: /www.mastereditora.com.br/periodico/20141101_221620.pdf acesso em: 14.09.2018.
7. CAVALCANTE, Karina Ribeiro Leite Jardim. Características epidemiológicas da febre amarela no Brasil no período de 2000 a 2014. Trabalho de Conclusão de Curso ,2014.
8. CAVALCANTE, Karina Ribeiro Leite Jardim; TAUIL, Pedro Luiz. Risco de reintrodução da febre amarela urbana no Brasil. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 26, p. 617-620, 2017.
9. CIMERMAN, Sergio. Sociedade Brasileira de infectologia. Associação Médica Brasileira.2017 Disponível em: https://www.infectologia.org.br/ Acesso em: 12.10.2018.
10. COSTA, Zouraide Guerra Antunes et al. Evolução histórica da vigilância epidemiológica e do controle da febre amarela no Brasil. Revista Pan-Amazônica de Saúde, v. 2, n. 1, p. 11-26, 2011.
11. GROBE. Rafaela, febre amarela a movimentação de pessoas infectadas propaga a febre amarela a diferentes lugares. EDIÇÃO Nº 01 – ano xv – janeiro | 2018. Disponível em: 14.09.2018.
12. LEITE, Alberto Andrade; ERRANTE, Paolo Ruggero. Aspectos clínicos, prevenção e epidemiologia da Febre Amarela no Brasil. UNILUS Ensino e Pesquisa, v. 14, n. 34, p. 169-184, 2017. Disponível em: http://revista.lusiada.br/index.php/ruep/article/view
13. MARINHO. AKBB et al. Vacina contra a febre amarela: reações adversas e populações de risco. Arq Asma Alerg Imunol – Vol. 1. N° 3, 2017. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5935/2526-5393.20170035 Acesso em:12.04.2018.
14. MORAES. Ana Lucia Goulart. Participação de primatas não-humanos como fonte de infecção da febre amarela (ciclo silvestre). Trabalho de Conclusão de Curso; 2009.
15. NORONHA, Tatiana Guimarães de; CAMACHO, Luiz Antonio Bastos. Controvérsias sobre a ampliação das áreas com vacinação de rotina contra a febre amarela no Brasil. Cadernos de Saúde Pública, v. 33, p. e00060917, 2017.
16. SAAD, Leila Del Castillo; BARATA, Rita Barradas. Surtos de febre amarela no estado de São Paulo, 2000-2010. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 25, p. 531-540, 2016.
17. VASCONCELOS, Pedro Fernando. Febre amarela. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 36, n. 2, p. 275-293, 2003.